3.02.2010

SERMÃO SOBRE O NATAL - DEZEMBRO 2009



Por

Antônio Pereira da Costa Júnior*



TEXTO: ISAÍAS 9.6



Na infância ficávamos ansiosos para montar a árvore com os enfeites, bolas coloridas, embrulhar os presentes, ligar o pisca-pisca, enfim, um momento único que eu desejava que durasse para sempre. Falava-se do “espírito” natalino que invadira o coração dos homens. A bondade era a principal nota tocada. Quando pensamos em Natal, as primeiras imagens que chegam a nossa mente é a da árvore de Natal cheia de enfeites com presentes maravilhosos, uma ceia farta esperando para ser religiosamente devorada.

Então, é Natal...

Pensamos na bela decoração, nos belos hinos entoados nas grandes catedrais. Corais impecavelmente ensaiados com vozes perfeitamente divididas (Quando Jesus nasceu teve coral – dos anjos –, miríades do coral celestial, saudando o Rei dos reis e Senhor dos senhores). 

Contudo, esse Natal aparente não é o verdadeiro Natal. O personagem principal do verdadeiro Natal não é Noel, ele não é, e nunca foi, o personagem principal do Natal verdadeiro, é Jesus de Nazaré, o único aniversariante que não foi convidado para a sua festa. Sim, porque a palavra Natal significa simplesmente “aniversário”. 

No tempo do profeta Isaías, o reino de Judá estava a passar por uma crise devido ao desgoverno do rei Acaz. Ele preferiu a vassalagem ao rei da Assíria que foi onerosa para o povo. Os impostos que tinha que pagar à Assíria fez com que quase fossem consumidos os tesouros do templo, da casa do rei e dos príncipes. Certamente o povo não vivia regaladamente, pois as guerras trouxeram mais miséria. Em atos de desespero, Acaz queimou seus filhos no fogo em sacrifícios aos deuses, fechou as portas do templo, mas fez altares para si em todos os cantos de Jerusalém, assim como usou o altar de cobre que estava no templo para a adivinhação (2 Reis 16; 2 Crónicas 28).

O profeta Isaías tinha aconselhado este rei a consultar ao Senhor em vez de buscar o conselho dos homens. Mas Acaz preferia consultar os espíritos e os adivinhos afim de resolver a crise que existia no seu reino. É por isso que Isaías indignado clama: “a favor dos vivos interrogar-se-ão os mortos?” (Isaías 8:19). O resultado seria a opressão e a fome.  Viveriam na angústia, na ansiedade e em profunda escuridão. Dificilmente veriam a luz ao fundo do túnel.

No entanto, a mensagem do profeta ainda trazia esperança. Para o rei e para o povo ele dizia: “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o principado está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade e Príncipe da Paz” (Is 9:6).

O nascimento de uma criança em Judá era sinal de que Deus ainda estava com o povo. Qualquer criança que nascesse bem que poderia ser chamada de Emanuel, pois ela era sinal da presença e da ação de Deus no seu meio. Assim o entendeu Isaías quando disse: “E esperarei no Senhor… Eis-me aqui, com os filhos que me deu o Senhor, como sinais e maravilhas em Israel da parte do Senhor dos Exércitos, que habita no monte Sião” (Is 8:17-18).
Então, é Natal?

O que é, de fato, o Natal? Natal é tempo de misericórdia. Aliás, misericórdia vem de duas palavras latinas “misere” e “cordia” (de onde vem a palavra coração) significando o seguinte: ter misericórdia é sentir a miséria do outro em seu coração. Na antiguidade significava o punhal que os cavaleiros traziam do lado direito e com que matavam o adversário derribado, a menos que este pedisse misericórdia. Foi isto que Deus fez em Cristo. Sentiu a nossa miséria em Seu coração, a ponto de enviar Seu próprio filho para morrer por nossos pecados. Pois, ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.

Então, é Natal...

Natal é tempo de relembrar a Graça de Deus derramada em nosso favor na “plenitude dos tempos”. O nosso Salvador, o nosso Redentor, o nosso Senhor nasceu. Hosana no mais alto dos céus. Deus se fez carne e visitou com misericórdia a terríveis pecadores como eu e você. Glória a Deus por isso. É tempo de sentir a miséria dos outros em nossos corações, assim como Jesus, e por isso, o Natal verdadeiro dura o ano inteiro, não é apenas a festa de dezembro.

Então, é Natal...

Natal é tempo de ação. Já dizia a música de Lennon: “Então é Natal, e o que você fez?” Cumpriu suas promessas feitas no começo do ano? Realizou os desejos idealizados no réveillon? O Natal só será Natal, de fato, quando nós, a Igreja do aniversariante, deixar de ser mesquinha e dividir o pão; quando valorizarmos mais as pessoas do que as coisas; quando deixarmos o amor falar mais alto do que o dinheiro; quando o templo do Espírito santo for mais importante do que o templo de tijolos. Quando formos mais parecidos com Jesus, então será Natal...

Este texto de Isaías, capítulo 9, verso 6, fala da Pessoa de Jesus: "Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz".

QUEM É ESSE DE QUEM O VERDADEIRO NATAL FALA?
(1) Maravilhoso: Em Marcos 6:2 lemos “E, chegando o sábado, começou a ensinar na sinagoga; e muitos, ouvindo-o, se admiravam, dizendo: De onde lhe vêm estas coisas? e que sabedoria é esta que lhe foi dada? e como se fazem tais maravilhas por suas mãos?”
Cristo realmente cumpriu os requisitos da profecia de Isaías. Muitas maravilhas se operavam por onde Jesus passava.

Devemos TEMBÉM ser maravilhosos não apenas no Natal, mas em todos os dias. Para com nosso próximo, nossas palavras devem ser cheias de ternura, devemos apresentar Cristo ao mundo, cheios de amor e verdadeiro interesse pelas almas. Devemos ser corteses com nossos visinhos, familiares e irmãos, toda palavra grosseira deve desaparecer de nossos lábios. Tudo isso é maravilhoso, e estas devem ser as maravilhas a nos acompanhar.
(2) Conselheiro: Este termo também aparece em diversos outros textos, como, por exemplo, em 1Cr 26.14.
Qual tem sido a sua atitude diante das necessidades e dúvidas? Você tem procurado conselho nos homens? Deus também não te dá um conselho, mas lhe deu o “Conselheiro", para que você esteja no Seu Conselho. Não peça a Deus conselhos sobre algo que você necessite, mas conheça a Jesus Cristo em você, porque Ele é o "Maravilhoso Conselheiro": "E o Deus de toda a graça, que em Cristo Jesus vos chamou à sua eterna glória, depois de haverdes padecido um pouco, ele mesmo vos aperfeiçoará, confirmará, fortificará e fortalecerá" 1Pedro 5.10.

(3) Deus Forte:
Eis o grande mistério do evangelho, Cristo é Deus encarnado, e em Isaías é dito que ele seria “Deus Forte”. Noutra passagem de Isaías se diz que seu nome seria Emanuel que significa “Deus conosco”. 

Cristo é Deus conosco, é Deus Forte e ao mesmo tempo homem como qualquer um de nós, com a diferença de não ter inclinações pecaminosas. Cristo sendo Deus assumiu a condição humana e suportou todas as provações humanas demonstrando que é possível ao homem cumprir corretamente todos os princípios da sagrada Lei de Deus.

Assim como Cristo é Deus Forte, cabe ao homem adquirir essa força que vem dEle. Em Efésios 6.10 lemos “…fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder”, em Cristo encontramos força necessária para vencermos o pecado, força para cumprirmos os requisitos da Lei do amor. 

(4) Pai da Eternidade: Jesus é o "Pai da Eternidade", porque Ele é a vida eterna. N´Ele passamos da morte para a vida; somos gerados para a vida eterna: "E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão" João 10.28.

Jesus é o "Pai da Eternidade". Só Ele pode te dar vida eterna, ou exercer juízo eterno sobre você. Jesus disse: "E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste" João 17.3. Vida eterna é conhecimento de Deus na Pessoa de Jesus. Sendo assim, podemos dizer como os discípulos de Jesus: "... Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna" João 6.68.

(5) Príncipe da Paz:
Um exército celestial, trouxe a doce mensagem de paz. Cheios de júbilo e glória cantavam: "Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens a quem Ele quer bem" Lc 2.14.

Nascia o Príncipe da paz... Seu nascimento trouxe esperança ao mundo... Através dEle multidões têm achado a verdadeira paz... "os ímpios não têm paz" Is 48.22. A gloriosa mensagem dos anjos pode tornar-se realidade em nossa vida hoje...

Ao recebê-Lo gozamos: a. Paz com Deus através do perdão (Rom. 5:1). b. Paz de consciência e coração (Efe. 2:13,14). c. Paz por conhecer o Salvador eterno e a um Pai amoroso (Filip. 4:7,7). d. Paz que provém da certeza de um glorioso futuro (Jo 14:3).

Será Natal, quando o Rei disser: Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo. Porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me hospedastes; estava nu, e me vestistes; enfermo, e me visitastes; preso, e fostes ver-me. Então, perguntarão os justos: Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer? Ou com sede e te demos de beber? E quando te vimos forasteiro e te hospedamos? Ou nu e te vestimos? E quando te vimos enfermo ou preso e te fomos visitar? O Rei, respondendo, lhes dirá: Em verdade vos afirmo que, sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes.

Um fato interessante do natal de Jesus é que não havia lugar para Ele na estalagem, mas, hoje, há lugar para Cristo em teu coração? No teu lar? No teu casamento? Na tua Igreja?
Então... é Natal?

SOLI DEO GLORIA NUNC ET SEMPER


*O Pr. Antônio Pereira da Costa Júnior nasceu em Esperança – PB. Faz parte do quadro de ministros da Aliança das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil. Palestrante e pesquisador na área de Apologética em geral, Técnico Agrícola pela UEPB e Bacharel em Teologia pelo STEC (Seminário Teológico Evangélico Congregacional). Fez um curso de Apologética por extensão pelo ICP (Instituto Cristão de Pesquisas). Especialista em Teologia e História pelo SPN – Seminário Presbiteriano do Norte (Recife). Atualmente faz gestão Pública pela Faculdade Metodista de São Paulo (EAD - Pólo: Campina Grande) Novo E-mail: oapologista@yahoo.com.br

4 comentários:

Alexandre Pitante disse...

Paz, Pr. Antonio.

Parabéns, pelo seu trabalho neste blog. Que Deus em Cristo Jesus lhe continue abençoando poderosamente.

Estou seguindo o vosso blog.

Aproveito pra lhe convidar a visitar meu blog também. Avivamento pela Palavra é um blog voltado aos amantes da Bíblia sagrada como Verdade Absoluta e que só através Dela seremos mais crentes e mais cheios do Espirito Santo. Comente, pois seus comentários são muito importante para mim poder estar sempre em melhorias no meu blog.

http://www.alexandrepitante.blogspot.com/

Siga-nos também.

Fica com Deus.
Um abraço, Alexandre Pitante.

Diego Cosmo disse...

http://dcosmo.blogspot.com/ - Constantes reflexões, Rumo a novos pensamentos! "Cosmo a Pé"

Katia Domingos disse...

Pastor Antônio, gostei muito da forma com foi abordado o sentido do natal por você. Que o Senhor nosso Deus continue lhe dando sabedoria, através de seu santo Espírito. Kátia - Macapá/AP

elias leoncio de sousa disse...

Pastor Antônio, gostei muito desta forma de abordar o sentido do natal pelo senhor. Gostaria que todos tivesse esta mesma sabedoria de desatar nós como este. Elias Lenocio de PE Brasil.