9.01.2009

A FIDELIDADE DO CRENTE

TEXTO BÁSICO: Jó 1.1

INTRODUÇÂO: Você é fiel? Sempre que ouvimos essa pergunta, geralmente ela está relacionada à nossa contribuição financeira a alguma Igreja. No entanto, a fidelidade, biblicamente falando, refere-se, não tanto a nossa contribuição monetária, mas em nossa resposta em obediência a Deus como filhos amados do Pai. Apesar da expressão “DEUS É FIEL” ser tão popular, e até vista em diversos carros e repetida exaustivamente nos nossos cultos – como se Deus tivesse uma crise de identidade, e ai a gente tem que dizer a ele que ele é fiel, pra ele não se esquecer disso – isso, nos faz deturpar o real significado da palavra “fidelidade” e ás vezes não compreendemos que Deus não vive nenhuma crise de identidade. Antes de gritar: “Deus tu és fiel”, deveríamos pensar: “E eu sou fiel?”. Nós, nessas décadas de triunfalismo doentio e exagerado, regada pela Teologia da Prosperidade, esquecemos o que significa, de fato, ser fiel.


I – DEFINIÇÕES GERAIS

Segundo o dicionário Aurélio, fidelidade significa: Qualidade de fiel; lealdade. No Novo Testamento a palavra “fidelidade” é traduzida da mesma palavra que fé: “pistis”. Ou seja, pode-se então afirmar que “fiel é aquele que crer em Cristo e vive por ele”. Os crentes são chamados de fiéis – Efésios 1.1; Colossenses 1.2; 1Timóteo 4.3, 10; Apocalipse 17.14.

É preciso esclarecer o seguinte:

1. A fidelidade é um dos frutos do Espírito: “Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade” Gálatas 5.22 (grifo nosso). Isso implica dizer que se você é cristão, de fato e de verdade, então você tem que ser fiel. Ou seja, a fidelidade com relação a Deus não é opção, é o resultado natural daquele que nasceu de novo. No entanto, não se vê a questão da fidelidade como característica inerente em muitos cristãos de hoje onde a conduta de muitos é diametralmente oposta àquilo que a Bíblia requer no tocante a fidelidade. Qual o problema? Pense nisso!

É por excelência a qualidade que Deus demanda de nós, os despenseiros de seus mistérios 1Co 4.1-2. Se formos fiéis no pouco, nos confiará o muito – Lc 16.10-12. É com a ajuda de Deus que o crente poderá ser fiel até a morte – Ap 2.10 e por ela, há a promessa de um grande galardão – Mt 24.45-46.

2. A fidelidade é um atributo de Deus. Além de ser um fruto do Espírito, a fidelidade é um atributo de Deus. A. W. Pink no livro: “Os Atributos de Deus”, já declarava que: Deus é fiel – Dt 7:9; Sl 89.8; Is 11.5; Lm 3.22,23. Deus é verdadeiro. Sua palavra de promessa é segura. Em todas suas relações com Seu povo Deus é fiel. Nele o home pode confiar. “quem fez a promessa é fiel”? – Hb 10.23. Deus é fiel a si mesmo e a seu próprio propósito de graça: “Aos que chamou... a estes também glorificou” – Rm 5.30. Paulo descansava na fidelidade de Deus quando disse: “Eu sei em quem tenho crido, e estou bem certo que é poderoso para guardar meu depósito até aquele dia” – 2Tm 1.12. (Tradução livre do trecho do livro “Os Atributos de Deus”, em Espanhol)

É um dos atributos de Deus que mais freqüentemente se destaca nas Escrituras (Dt 7.9; 32.4; Ne 9.33; Sl 25.10; 36.5; 89.2-3; Is 11.5, etc.). O fiel Deus é digno de nossa fé e confiança, guarda as promessas e o pacto, cumprindo sua Palavra, porém também as suas ameaças. É imutável (Sl 90.1-2; 102.26-28). É fiel e justo para perdoar-nos em nome de Jesus, por sua obra já cumprida (1Jo 1.9).

II – O QUE SIGNIFICA SER FIEL?

Além do exposto acima, poderíamos ainda trazer a seguinte definição: Ser fiel é manter o compromisso, fazendo o que se deve fazer e evitando o que se deve evitar. Ser fiel a Deus é procurar sempre viver de acordo com a Sua vontade, evitando sempre o erro e o pecado. E se eventualmente cometemos algum erro, algum pecado, imediatamente suplicamos o perdão e voltamos ao procedimento cristão.

Alguém já disse que: a fidelidade de Deus, por exemplo, é proclamada e cantada em alto e bom som pelo Seu povo através das gerações. O Salmo 136 é um excelente exemplo do louvor que proclama a fidelidade do Senhor. Nesse Salmo encontra-se repetida a expressão “porque a sua misericórdia dura para sempre” vinte e seis vezes. A palavra traduzida por “misericórdia” pode, sem nenhuma agressão à semântica, ser traduzida por “fidelidade”. (Este termo é usado com freqüência em documentos antigos, os contratos de vassalagem, que são acordos feitos entre duas nações, através de seus governantes. Em documentos deste tipo, um rei exigia do outro “fidelidade” e não “misericórdia”). E que dizer de versículos como estes: Salmo 36.5; 40.10; 1Co 1.9; Hb 10.23; Ap 19.11?

Conquanto saibamos, pelo exposto acima, que Deus é fiel, Ele cobra de nós também fidelidade. Alguns acham que o fiel é aquele que nunca passa por problemas, dificuldades, tribulações etc. Contudo, fidelidade não implica em deixar de sofrer, pelo contrário, os fiéis sofrem e muito. Vejamos apenas alguns exemplos: Moisés (Nm 12.7 – apesar de ser chamado de fiel pelo próprio Deus, não deixou de sofrer); Daniel (Dn 6.4 – apesar de ser fiel foi jogado na cova dos leões) e Paulo (2Co 11.22-33 – apesar de ser fiel, sofreu como poucos discípulos de Cristo). Foi Paulo que escreveu: “Ora, todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos” – 2Timóteo 3.12.


III – EM QUE DEVEMOS SER FIÉIS?

Precisamos ser fiéis a Deus em vários aspectos. Tem uma música que diz: “Pois tu és fiel Senhor, fiel a mim”. Creio que essa letra não corresponde à realidade Bíblica. Deus não é fiel a mim eu é que tenho que ser fiel a ele, pois mesmo se formos infiéis, “ele permanece fiel, pois de maneira nenhuma pode negar-se a si mesmo” – 2Tm 2.13. Deus não é fiel a mim, ele é fiel a ele mesmo. “Deus zela pela Sua palavra para a cumprir” – Jr 1.12. Ele é fiel por causa de suas promessas: 1Reis 8.56; Atos 13.34; Romanos 15.8; 2Coríntios 1.20; Gálatas 3.16. Somos indignos para receber a fidelidade de Deus, como disse Jacó – Gênesis 32.10. A nossa “dignidade” está na dignidade do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.

Mas, em que eu e você devemos ser fiéis a Deus? Embora, reconhecendo nossas fraquezas, temos que buscar ser fiéis a Deus em alguns aspectos, afinal, fidelidade é um fruto do Espírito. Vejamos alguns exemplos no que devemos ser fiéis:



1. Na ministração da Palavra – 2Timóteo 2.2
2. No nosso casamento – 1Timóteo 3.11 (Da mesma sorte, quanto a mulheres, é necessário que sejam elas respeitáveis, não maldizentes, temperantes e fiéis em tudo).
3. Na sociedade em que vivemos – 1Timóteo 4.12
4. Na Igreja como corpo de Cristo – 3João 1.5
5. Nas provas e tribulações. A Palavra de Deus nos fala a respeito de um homem que foi a fiel ao Senhor em todas as áreas de sua vida. Este foi Jó. Foi fiel a Deus quando era rico e continuou sendo a fiel na miséria. Fiel quando estava com saúde e continuou mesmo enfermo. Fiel quando a esposa estava ao seu lado e quando ela pediu para ele amaldiçoar o Senhor. Fiel quando os seus amigos lhe questionavam. Adorava a Deus com saúde ou enfermo, rico ou pobre. Leia Jó 1.20-22; 2.10; 13.15; 19.25; 31.34 e 42.2. Foi o próprio Deus que deu testemunho deste homem, homem íntegro, reto, temente a Deus e que se desvia do mal.


CONCLUSÃO: Quando depositamos confiadamente nossas vidas e nossas coisas nas mãos de Deus, plenamente persuadido de seu amor e fidelidade, pronto nos contentaremos com suas provisões e nos daremos conta que “Deus nos faz o bem”. Deus tem prometido recompensar-nos de conformidade com a nossa fidelidade (ver Dt 15:4; Ml 3.10-12; Mt 19.21; 1Tm 6.19; 2Co 9.6). Contudo, Ele não está obrigado a isso.

Tudo o que temos vem de Deus, seja muito ou pouco. O ensino básico deve ser o que Paulo pregou em Filipenses 4.11-13 "Não digo isto como por necessidade, porque já aprendi a contentar-me com o que tenho. Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade. Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece”.



FRASE: “Você nunca poderá entender a fidelidade de Deus se possuir uma visão míope dele” – Paul S. Rees

SOLI DEO GLORIA NUNC ET SEMPER


*O Pr. Antônio Pereira da Costa Júnior nasceu em Esperança – PB. Co-Pastor da 1ª. Igreja Congregacional em Santa Cruz do Capibaribe – PE. Faz parte do quadro de ministros da Aliança das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil. Casado com Esther, e Pai de Rachêl. Palestrante e pesquisador na área de Apologética em geral, Técnico Agrícola pela UEPB e Bacharel em Teologia pelo STEC (Seminário Teológico Evangélico Congregacional). E fez um curso de Apologética por extensão pelo ICP (Instituto Cristão de Pesquisas). Mestrando em Teologia e História pelo SPN – Seminário Presbiteriano do Norte (Recife). E-mail: juniorapologista@yahoo.com.br

2 comentários:

Danilo Fernandes disse...

Rev. Antonio!

Estava eu procurando novos blogs para divulgar o meu e... Surpresa boa! Achei seu blog! Parabéns pelo trabalho e qualidade dos posts.

E, aproveitando, apresento o Genizah: Um blog cristão diferente que oferece ótimo conteúdo protestante, muito humor e bom combate às heresias e ao sincretismo que vem solapando a igreja evangélica.

Vamos nos seguir. Te vejo por lá!

A Paz e o Bem!

Abraços,

Danilo Fernandes

http://www.genizahvirtual.com/

Pensamentos diários sobre a vida Cristã disse...

Bom dia,

Estou lançando um site de videos, onde vc pode encontrar ou sugerir os videos de seu Levita favoríto,
La vc encontra Regis danese, Ludmila etc.
Algumas Mensagens e testemunhos.
Pode comentar, pedir novos vídeos, postar um artigo.
Venha participar desta novidade
http://palavraevida.webtvbr.com

Grato

Carlos Duarte